Pesquisar este blog

MPB - Google Notícias

Quem Somos?


 A Rádio Campinarte na verdade é um blog com o objetivo de divulgar, promover e na medida do possível gerar renda para os artistas (músicos) em particular do Terceiro Distrito de Duque de Caxias no Rio de Janeiro.
Um blog com cara de rádio, notícias do mundo do rádio, cantores do rádio.Um blog que tem como uma de suas principais bandeiras os novos talentos sem esquecer dos grandes nomes da música popular brasileira de todos os tempos; sem esquecer os pioneiros, os baluartes, os verdadeiros ícones da era de ouro do rádio. Fazemos isso para que esses novos talentos não percam de vista nossas referências musicais que até hoje são veneradas mundo a fora - uma forma que encontramos de dizer um MUITO OBRIGADO àqueles que nos proporcionaram (e continuam proporcionando) com suas vozes, suas músicas, momentos de paz e alegria. Uma maneira de agradecer a todos que ajudaram a compor as trilhas sonoras de milhões e milhões de pessoas.
Este blog irá gradativamente estreitar os seus laços com as Rádios Comunitárias que desenvolvem um papel importantíssimo em nossos bairros.
A Rádio Campinarte tem (fundamentalmente) um compromisso com a qualidade e o bom gosto / e qualidade e bom gosto nos vamos pinçar nos nossos bairros, o que nós queremos mesmo é fazer jus ao nome: RÁDIO CAMPINARTE - O SOM DAS COMUNIDADES.


CLIQUE NAS IMAGENS E OUÇA OS NOSSOS ESPECIAIS

  
   

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

domingo, 22 de novembro de 2015

Campinarte de Volta no Tempo / Marlene (Memória)

Marlene (Vitória Bonaiutti De Martino), cantora, nasceu em São Paulo-SP, em 22/11/1922 e faleceu em 13/06/214 RJ. Dos quatro aos 17 anos foi interna no Colégio Batista Brasileiro, em São Paulo. Começou a cantar, ainda como amadora, em 1941, no programa Hora do Estudante, na Rádio Bandeirantes.
Estreou como profissional no ano seguinte, na Rádio Tupi, adotando o nome artístico de Marlene, escolhido pelos estudantes e inspirado em Marlene Dietrich, que estava em evidência na época. Em 1943 mudou-se para o Rio de Janeiro, conseguindo logo um lugar no Cassino Icaraí, de Niterói RJ, por dois meses passando a seguir para o Cassino da Urca, onde trabalhou até o seu fechamento, em abril de 1946.
Nesse ano, foi contratada pelo Rádio Mayrink Veiga e gravou o primeiro disco, pela Odeon, com o acompanhamento da orquestra Brazilian Serenaders, cantando o samba-choro Swing no morro (Felisberto Martins e Amado Régis) e o samba Ginga, ginga, morena (João de Deus e Hélio Nascimento). Passou para a Rádio Globo, no ano seguinte, , atuando também na boate carioca Casablanca, como cantora de um conjunto formado por Benê Nunes (piano), Abel Ferreira (clarineta), Vidal (contrabaixo), Meneses (guitarra), Chevalier (pandeiro), Carequinha (bateria) e Chuca-chuca (vibrafone).

O adeus a Marlene
Ícone da era de ouro do rádio morreu nesta sexta-feira
13.06.2014 
Marlene, símbolo da época de ouro das cantoras do rádio

Marlene, símbolo da época de ouro das cantoras do rádio  (Crédito: Divulgação)

Foi na adolescência que Marlene, grande ícone da época de ouro do rádio no Brasil, descobriu os encantos e a força de sua voz, no programa Hora do estudante, da Bandeirantes. Na época ela só tinha 16 anos e ainda usava o nome de batismo Victoria de Martino Bonaiute, mas logo mudou para Marlene, alcunha artística pela qual se tornaria conhecida pelos palcos afora.

Nasceu em São Paulo, em 22 de novembro de 1924, mas foi no Rio de Janeiro Marlene brilhou. Trocou de cidade em busca do sonho e a contragosto da família nos anos 1940 para trabalhar no Cassino Icaraí. Alta, de postura imponente e beleza marcante, logo se tornou uma das principais crooners do do luxuoso Cassino da Urca. Cantou também em famosas casas de shows e hotéis da época, como o Boate Casablanca e o Copacabana Palace.


Em 1947, entrou para o grupo de cantores da Rádio Nacional. O repertório de Marlene não tinha restrições e canções de amor se misturavam com músicas sobre a vida miserável, a pobreza o dia a dia árido. Sucessos como  “Sapato de pobre” e “Lata d´água na cabeça”, por exemplo, marcaram para sempre a voz da cantora no cancioneiro brasileiro. Em 1949 venceu o concurso Rainha do Rádio, deixando Emilinha Borba em segundo lugar. A vitória deu início a umas era de rivalidades entre as duas cantoras e seus fãs.

Marlene foi a primeira cantora brasileira a se apresentar no Olympia, em Paris, e dividiu o palco com Edith Piaf, símbolo da música Francesa. Além de soltar a voz em palcos na Argentina, Estados Unidos e Uruguai, e de gravar mais de quatro mil músicas, ela também fez cinema, TV e apresentou o programa de rádio, Marlene, meu bem.

Um de seus últimos trabalhos foi Marlene, a Rainha e os Artistas do Rádio, CD e DVD lançado em 2007. Em 2011 sua história foi relembrada no musical Emilinha e Marlene — As rainhas do rádio. No passado foi lançada a biografia Marlene: a incomparável, de Diana Aragão, publicada pela imprensa oficial do Estado de São Paulo.

Marlene morava em Copacabana e morreu no final da tarde desta sexta-feira, 13/06, aos 89 anos. Ela estava internada no hospital Casa de Portugal e sofreu falência múltipla dos órgãos. A cantora deixa um filho Sérgio Henrique, de 60 anos.


Seguidores

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz
Clique na imagem

22 de Novembro é dia de Santa Cecília...

Padroeira dos músicos, por isso hoje também é comemorado o dia do músico. O músico pode ser arranjador, intérprete, regente e compositor. Há quem diga que os músicos devem ter talento nato para isso, mas existem cursos superiores na área e pessoas que estudam música a vida toda.
O músico pode trabalhar com música popular ou erudita, em atividades culturais e recreativas, em pesquisa e desenvolvimento, na edição, impressão e reprodução de gravações. A grande maioria dos profissionais trabalha por contra própria, mas existem os que trabalham no ensino e os que são vinculados a corpos musicais estaduais ou municipais.
A santa dos músicos
Santa Cecília viveu em Roma, no século III, e participava diariamente da missa celebrada pelo papa Urbano, nas catacumbas da via Ápia. Ela decidiu viver casta, mas seu pai obrigou-a a casar com Valeriano. Ela contou ao seu marido sua condição de virgem consagrada a Deus e conseguiu convence-lo. Segundo a tradição, Cecília teria cantado para ele a beleza da castidade e ele acabou decidindo respeitar o voto da esposa. Além disso, Valeriano converteu-se ao catolicismo.

Mito grego
Na época dos gregos, dizia-se que depois da morte dos Titãs, filhos de Urano, os deuses do Olimpo pediram que Zeus criasse divindades capazes de cantar as vitórias dos deuses do Olimpo. Então, Zeus se deitou com Mnemosina, a deusa da memória, durante nove noites consecutivas. Nasceram dessas noites as nove Musas. Dessas nove, a musa da música era Euterpe, que fazia parte do cortejo de Apolo, deus da Música.
Fonte: UFGNet

Rádio MEC AM

CONTOS NO RÁDIO