Homenageado do mês de Dezembro / Luiz Gonzaga/ Cantor. Compositor. Sanfoneiro. Conhecido como o Rei do Baião. Sua mãe Ana Batista, conhecida como Santana, era descendente, embora não totalmente reconhecida, dos Alencar, fundadores da cidade de Exu. Seu pai, Januário, era lavrador e reconhecido sanfoneiro na região...

Campinarte Dicas e Fatos / O nosso jornal falado

MPB - Google Notícias

Quem Somos?


 A Rádio Campinarte na verdade é um blog com o objetivo de divulgar, promover e na medida do possível gerar renda para os artistas (músicos) em particular do Terceiro Distrito de Duque de Caxias no Rio de Janeiro.
Um blog com cara de rádio, notícias do mundo do rádio, cantores do rádio.Um blog que tem como uma de suas principais bandeiras os novos talentos sem esquecer dos grandes nomes da música popular brasileira de todos os tempos; sem esquecer os pioneiros, os baluartes, os verdadeiros ícones da era de ouro do rádio. Fazemos isso para que esses novos talentos não percam de vista nossas referências musicais que até hoje são veneradas mundo a fora - uma forma que encontramos de dizer um MUITO OBRIGADO àqueles que nos proporcionaram (e continuam proporcionando) com suas vozes, suas músicas, momentos de paz e alegria. Uma maneira de agradecer a todos que ajudaram a compor as trilhas sonoras de milhões e milhões de pessoas.
Este blog irá gradativamente estreitar os seus laços com as Rádios Comunitárias que desenvolvem um papel importantíssimo em nossos bairros.
A Rádio Campinarte tem (fundamentalmente) um compromisso com a qualidade e o bom gosto / e qualidade e bom gosto nos vamos pinçar nos nossos bairros, o que nós queremos mesmo é fazer jus ao nome: RÁDIO CAMPINARTE - O SOM DAS COMUNIDADES.


CLIQUE NAS IMAGENS E OUÇA OS NOSSOS ESPECIAIS

  
   

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

G. R. E. S. Beija-Flor

O Grêmio Recreativo e Escola de Samba Beija-Flor foi fundado no dia 25 de dezembro de 1948. Um grupo formado por Milton de Oliveira (Negão da Cuíca), D. Eulália (mãe de Milton), Edson Vieira Rodrigues (Edinho Ferro-Velho), Helles Ferreira da Silva, Hamilton Floriano e José Fernandes da Silva resolveu formar um bloco, batizado de Beija-Flor por sugestão da mãe de Milton, inspirado no Rancho Beija-Flor, da cidade de Valença. Em 1953, Cabana (Silvestre David dos Santos), da Ala dos Compositores, inscreveu o bloco Associação Carnavalesca Beija-Flor, como Escola de Samba, na Confederação das Escolas de Samba para disputar o desfile do segundo grupo no ano seguinte. A Beija-Flor foi campeã com o samba-enredo "Caçador de esmeraldas", de autoria de Cabana, subindo para o primeiro grupo, onde ficou até 1963. Em 1974, retornou ao primeiro grupo. Dois anos depois, foi campeã com o enredo "Sonhar com rei dá leão", quando Joãosinho Trinta passou a ser o carnavalesco da Escola, levando a Beija-Flor ao bicampeonato em 1977, com o enredo "Vovó e o rei da Saturnália na corte egipciana" e, em 1978, ao tricampeonato, com o enredo "A criação do mundo na tradição nagô". Sagrou-se campeã em 1980, dividindo o título com a Imperatriz Leopoldinense e com a Portela, com o enredo "O sol da meia-noite, uma viagem ao país das maravilhas". A Escola voltou a ser campeã em 1983, com o enredo "A grande constelação das estrelas negras". No ano de 1989, com o enredo "Ratos e urubus larguem a minha fantasia", a Beija-Flor classificou-se em segundo lugar, mas foi o grande acontecimento daquele carnaval: Joãosinho Trinta levou mendigos e pessoas esfarrapadas para o desfile, quebrando a tendência de fantasias caras que os foliões tinham que comprar para sair em qualquer escola do Grupo Especial. Em 1992, Joãosinho Trinta fez seu último desfile pela Beija-Flor, transferindo-se para a Unidos do Viradouro, Escola da cidade de Niterói. Milton Cunha passou a ser o carnavalesco da Escola em 1995. Nesse ano, a Beija-Flor alcançou o terceiro lugar com o enredo "Bidu Sayão e o canto de cristal", em homenagem a maior cantora lírica brasileira, que desfilou, com mais de 90 anos, em um dos carros alegóricos. A Escola voltou a ser campeã em 1998, dividindo o título com a Mangueira, quando apresentou o enredo "Pará, o mundo místico dos caruanas nas águas do patu-anu". No ano seguinte, com o samba-enredo "Araxá - Lugar alto onde primeiro se avista o sol", de autoria de Wilsinho Paz e Noel Costa, interpretado por Neguinho da Beija-Flor, a Escola classificou-se em segundo lugar no Grupo Especial. No ano 2000, desfilou com o samba-enredo "Brasil, um coração que pulsa forte. Pátria de todos ou terra de ninguém?", de Igor Leal e Amendoim da Beija-Flor. As suas colocações nos grupos e seus respectivos enredos através dos anos, de acordo com o livro "Carnaval - Seis mil anos de história", de autoria de Hiram Araújo, foram: 1954: primeiro lugar no Grupo 2, com o enredo "O caçador de esmeraldas", samba-enredo de autoria do compositor Cabana; 1955: sexto lugar no Grupo 1, com o enredo "Páginas de ouro da poesia brasileira"; 1956: décimo segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "O gaúcho"; 1957: décimo lugar no Grupo 1, com o enredo "Riquezas do Brasil"; 1958: décimo lugar no Grupo 1, com o enredo "Exaltação às Forças Armadas"; 1959: nono lugar no Grupo 1, com o enredo "Copa do Mundo"; 1960: décimo lugar no Grupo 1, com o enredo "Regência"; 1961: oitavo lugar no Grupo 1, com o enredo "Homenagem a Brasília"; 1962: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "Dia do Fico"; 1963: décimo lugar no Grupo 1, com o enredo "O guarani"; 1964: décimo segundo lugar no Grupo 2, com o enredo "Café, riqueza do Brasil"; 1965: terceiro lugar no Grupo 3, com o enredo "Lei do Ventre Livre"; 1966: terceiro lugar no Grupo 3, com o enredo "Fatos que culminaram com Independência do Brasil"; 1967: segundo lugar no Grupo 3, com o enredo "A queda da monarquia"; 1968: nono lugar no Grupo 2, com o enredo "Exaltação a José de Alencar"; 1969: nono lugar no Grupo 2, com o enredo "O paquete do exílio"; 1970: sexto lugar no Grupo 2, com o enredo "Rio, quatro séculos de glórias"; 1971: sétimo lugar no Grupo 2, com o enredo "Carnaval, sublime ilusão"; 1972: sexto lugar no Grupo 2, com o enredo "Bahia dos meus amores"; 1973: segundo lugar no Grupo 2, com o enredo "Educação para o desenvolvimento do Brasil do ano 2000"; 1974: sétimo lugar no Grupo 1, com o enredo "Brasil ano 2000"; 1975: sétimo lugar no Grupo 1, com o enredo "O grande decênio"; 1976: primeiro lugar no Grupo 1, com o enredo "Sonhar com rei dá leão"; 1977: primeiro lugar no Grupo 1, com o enredo "Vovó e o rei da Saturnália na corte egípicia"; 1978: primeiro lugar no Grupo 1, com o enredo "A criação do mundo na tradição nagô"; 1979: segundo lugar no grupo 1, com o enredo "O paraíso da loucura"; 1980: primeiro lugar no Grupo 1, com o enredo "O sol da meia-noite, uma viagem ao país das maravilhas"; 1981: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "Carnaval no Brasil - A oitava das sete maravilhas do mundo"; 1982: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "O olho azul da serpente"; 1983: primeiro lugar no Grupo 1, com o enredo "A grande constelação das estrelas negras"; 1984: terceiro lugar no Grupo 1, com o enredo "O gigante em berço esplêndido"; 1985: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "A Lapa de Adão e Eva"; 1986: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "O mundo é uma bola"; 1987: quarto lugar no Grupo 1, com o enredo "As mágicas luzes da ribalta"; 1988: terceiro lugar no Grupo 1, com o enredo "Sou rei negro do Egito, à liberdade"; 1989: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "Ratos e urubus larguem a minha fantasia"; 1990: segundo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Todo mundo nasceu nu"; 1991: quarto lugar no Grupo Especial, com enredo "Alice no Brasil das maravilhas"; 1992 no qual a: sétimo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Há um ponto de luz na imensidão". No ano de 1993 com a carnavalesca foi Maria Augusta, a escola classificou-se em terceiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "Uni, duni, tê a Beija-Flor escolheu você", de autoria de Wilson Bombeiro, Edeor de Paula e Sérgio Fonseca; 1994: quinto lugar no Grupo Especial, com o enredo "Margareth Mee, a Dama das Bromélias"; 1995: terceiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "Bidu Sayão e o canto de cristal"; 1996: terceiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "Aurora do povo brasileiro"; 1997: quarto lugar no Grupo Especial, com o enredo "A Beija-Flor é festa na Sapucaí"; 1998: primeiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "O mundo místico dos caruanas na águas do Patu Anu", com a inovação de apresentar não apenas um carnavalesco, mas um conjunto de quatro responsáveis, formadores da Comissão de Carnaval da escola. Em 1999 a escola classificou-se em segundo lugar no Grupo Especial com o enredo "Araxá, lugar alto onde primeiro se avista o sol"; 2000: segundo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Brasil, um coração que pulsa forte. Pátria de todos ou terra de ninguém?"; 2001: segundo lugar no Grupo Especial, com o enredo "A saga de Agotime - Maria Mineira Naê". No ano 2002 desfilou com o samba-enredo "O Brasil dá o ar de sua graça. De Ícaro a Ruben Berta, o ímpeto de voar" de autoria de Wilsinho Paz, Elcy, Gil da Flores, Alexandre Moraes, Tamir, Tom e Igor Leal", tendo como puxador oficial da escola Neguinho da Beija-Flor e classificando-se em 2º lugar no Grupo Especial, com apenas um décimo de diferença dos pontos do primeiro lugar. No ano de 2003 desfilou com o samba-enredo "O povo conta a sua história: saco vazio não pára em pé. A mão que faz a guerra faz a paz", de autoria de Betinho, J.C, Coelho, Ribeirinho, Glyvaldo, Luís Otávio, Manoel do Cavaco, Serginho Sumaré e Vinícius, sendo a campeã do Grupo Especial. Em 2004 conseguiu o bi-campeonato após um desfile embaixo de uma forte chuva. A Escola levou para o sambódromo o samba-enredo "Manôa - Manaus - Amazônia - Terra Santa... Que alimenta o corpo, equilibra a alma e transmite a paz" (Cláudio Russo, Zé Luiz, Marquinhos, Jessi e Leleco), interpretado por Neguinho da Beija-Flor. Neste mesmo ano, através de uma pesquisa do Ibope foi apontada como a escola de samba mais querida no Estado do Rio de Janeiro, vindo logo a seguir a Mangueira em segundo lugar, a Mocidade em terceiro e a Portela em quarto. No ano de 2005 desfilou com o samba-enredo; "O vento corta as terras dos pampas. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Guarani. Sete povos na fé e na dor... Sete missões de amor", de J.C. Coelho, Ribeirinho, Adilson China, Serginho Sumaré, Domingos OS, R. Alves, Sidney de Pilares, Zequinha do Cavaco, Jorginho Moreira, Wanderlei Novidade, Walnei Rocha, Paulinho Rocha, tendo como intérprete Neguinho da Beija-Flor. Com esse enredo, totalizando 399,4 pontos e superando a segunda colocada, a Unidos da Tijuca, por apenas um décimo de diferença, sagrou-se tri-campeã neste mesmo ano. No ano de 2006 desfilhou com o samba-enredo "Poços de Caldas derrama sobre a Terra suas águas milagrosas: do caos Inicial à explosão da vida - Água, a nave-mãe da existência", de autoria de Wilsinho Paz, Noel Costa, Alexandre Moraes e Silvio Romai, puxado por Neguinho da Beija-Flor, classificando-se em 5º lugar. Com um trabalho social ativo, a escola mantém uma das maiores crecres do país e ainda, dirigido por Cleitom Machado, um educandário que atende não só a população carente de Nilópolis, como também de áreas adjacentes. No ano de 2007 foi a campeã do carnaval carioca com o samba-enredo "Áfricas: do berço real à corte brasiliana", de Cláudio Russo, J. Veloso, Carlinhos do Detran e Gilson Dr. Em 2008 tornou-se bi-campeão do Grupo Especial com o enredo de autoria de Laíla, Alexandre Louzada, Fran-Sérgio e Bira e o samba-enredo "Macapaba: equinócio solar, viagens fantásticas do meio do mundo", de Cláudio Russo, Carlinhos Detran, J. Velloso, Gilson Dr, Kid e Marquinhos, com o intérprete oficial Neguinho da Beija-Flor. Em 2009 a escola classificou-se em 2º lugar no Grupo Especial com o enredo "No chuveiro da alegria quem banha o corpo lava a alma na folia", tendo como presidente Farid Abrão David; diretor de carnaval: Laila; carnavalescos: Alexandre Louzada, Fran-Sérgio, Laila e Ubiratan Silva; mestres de bateria: Plínio e Paulinho; rainha de bateria: Rayssa Oliveira; mestre-sala e porta-bandeira: Claudinho e Selminha Sorriso; comissão de frente: Gislaine Cavalcante; intérprete: Neguinho da Beija-Flor e compositores do samba-enredo: Tom Tom, Marcelo Guimarães, Lopita, Jorge Augusto e Veni Vieira. Em 2010 a escola classificou-se em 3º lugar no Grupo Especial apresentando o samba-enredo "Brilhante ao sol do novo mundo, Brasília: do sonho à realidade, a capital da esperança", dos compositores Picolé da Beija-Flor, Serginho Sumará, Samir Trindade, Serginho Aguiar, Dilson Marimba e André do Cavaco, interpretado por Neguinho da Beija-Flor, tendo como carnavalesco Laíla, Fra-Sérgio, Ubiratan Silva e Alexandre Louzada. No ano de 2011 a escola desfilou com o samba-enredo "A Simplicidade de um Rei", de Samir Trindade, Serginho Aguiar, Jr. Beija-Flor, Sidney de Pilares, Jorginho Moreira, Théo M. Netto, Kleber do Sindicato e Marcelo Mourão, tendo como intérprete Neguinho da Beija-Flor e tendo como tema uma homenagem ao cantor Roberto Carlos, sagrando-se campeã do carnaval carioca. No ano de 2012 a escola classificou-se em 4º lugar com o samba enredo "São Luís: O Poema Encantado do Maranhão", de J. Velloso, Adilson China, Carlinhos do Detran, Silvio Romai, Hugo Leal, Gilberto Oliveira, Samir Trindade, Serginho Aguiar, Jr Beija-Flor, Ricardo Lucena, Thiago Alves e Rômulo Presidente. Neste mesmo ano foi lançada a biografia da escola na Livraria da Travessa, no bairro do Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. Escrita por Aydano André Motta e com o título de "Maravilhosa e Soberana", a biografia faz parte da Coleção "Cadernos de Samba", da Editora Verso Brasil. No ano de 2013 o G. R. E. S. Beija-Flor classificou-se como vice-campeã do carnaval carioca com o enredo "Amigo Fiel, do cavalo do amanhecer ao Mangalarga Marchador", da Comissão de Carnaval composta por André Cezari, Fran-Sérgio, Ubiratan Silva, Vítor Santos e Bianca Behrends, tendo como Diretor de Carnaval Laíla, Mestres de Bateria Plínio e Rodney; Rainha de Bateria Rayssa Oliveira; Mestre Sala Claudinho e Porta Bandeira Selmynha Sorriso, além de puxador de samba Neguinho da Beija-Flor, em composição de J. Velloso, Ribeirinho, Marquinho Beija-Flor, Gilberto Oliveira, Dilson Marimba, Sílvio Romai, Cláudio Russo e Miguel. No ano de 2014 a escola classificou-se em 7º lugar, no Grupo Especial, desfilando com o samba-enredo "O Astro Iluminado da Comunicação Brasileira", de Jr. Beija-Flor, Sidney de Pilares, Júnior Trindade, Adilson Brandão, Zé Carlos, Diogo Rosa, Carlinhos Careca e Samir Trindade, tendo como intérprete Neguinho da Beija-Flor. Destacamos também Laila, Fran-Sérgio, Ubiratan Silva, Vítor Santos e André Cezari. Pesquisadora: Bianca Behrends (Carnavalescos); Laíla (Diretor de Carnaval); Plínio e Rodney (Mestres de Bateria); Rayssa Oliveira (Rainha de Bateria); Claudinho (Mestre-Sala); Selmynha Sorriso (Porta-Bandeira) E Marcelo Misailidis (Comissão de Frente). No ano de 2015, tendo como presidente Farid Abraão David; comissão de carnaval integrada por Laíla, Fran Sérgio, Ubiratan Silva, Victor Santos, André Cezari, Bianca Behrends e Claudio Russo, também autores do enredo e da sinopse; diretores de bateria Mestres Rodney Ferreira e Plínio de Morais, auxiliados por Anderson Miranda, Carlos Alberto, Adelino Vieira, Clóvis, Thiago, Michel, Xunei, Marlon e Rogério Pó de Mico; 1º Mestre-Sala Claudinho e 1ª Porta-Bandeira Selmynha Sorriso, a escola desfilou com o samba-enredo "Um Griô Conta a História: Um Olhar Sobre a África e o Despontar da Guiné Equatorial Caminhemos Sobre a Trilha de Nossa Felicidade", de J. Velloso, Samir Trindade, Jr. Beija-Flor, Marquinhos Beija-Flor, Gilberto Oliveira, Elson Ramires, Dílson Marimba, Silvio Romai, Junior Trindade e Ribeirinho, puxado na avenida por Neguinho da Beija-Flor. A agremiação tornou-se a campeã do carnaval carioca, obtendo seu 13º título. No ano de 2016 a escola classificou-se em 5º lugar no desfile do Grupo Especial, apresentando o samba-enredo "Mineirinho Genial! Nova Lima - Cidade Natal. Marquês de Sapucaí - O Poeta Imortal!", de Marcelo Guimarães, Sidney de Pilares, Manolo, Jorginho Moreira, Kirraizinho e Diogo Rosa, com base no trabalho da pesquisadora Bianca Behrendstendo; tendo como carnavalescos uma comissão integrada por Laíla, André Cezari, Fran-Sérgio, Ubiratan Silva, Vítor Santos e Cláudio Russo; Diretor de Carnaval e Harmonia Laíla; intérprete na avenida Neguinho da Beija-Flor; Mestres de Bateria Plínio e Rodney; Rainha de Bateria Rayssa Oliveira; Mestre-Sala Claudinho; Porta-Bandeira Selmynha Sorriso, e Comissão de Frente dirigida por Marcelo Misailidis. BIBLIOGRAFIA CRÍTICA: ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Edição Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006. AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Esteio Editora, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014. ARAÚJO, Hiram. Carnaval - Seis milênios de história. Rio de Janeiro: Editora Gryphus, 2000.
dicionariompb.com.br/g-r-e-s-beija-flor/dados-artisticos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz
Clique na imagem

22 de Novembro é dia de Santa Cecília...

Padroeira dos músicos, por isso hoje também é comemorado o dia do músico. O músico pode ser arranjador, intérprete, regente e compositor. Há quem diga que os músicos devem ter talento nato para isso, mas existem cursos superiores na área e pessoas que estudam música a vida toda.
O músico pode trabalhar com música popular ou erudita, em atividades culturais e recreativas, em pesquisa e desenvolvimento, na edição, impressão e reprodução de gravações. A grande maioria dos profissionais trabalha por contra própria, mas existem os que trabalham no ensino e os que são vinculados a corpos musicais estaduais ou municipais.
A santa dos músicos
Santa Cecília viveu em Roma, no século III, e participava diariamente da missa celebrada pelo papa Urbano, nas catacumbas da via Ápia. Ela decidiu viver casta, mas seu pai obrigou-a a casar com Valeriano. Ela contou ao seu marido sua condição de virgem consagrada a Deus e conseguiu convence-lo. Segundo a tradição, Cecília teria cantado para ele a beleza da castidade e ele acabou decidindo respeitar o voto da esposa. Além disso, Valeriano converteu-se ao catolicismo.

Mito grego
Na época dos gregos, dizia-se que depois da morte dos Titãs, filhos de Urano, os deuses do Olimpo pediram que Zeus criasse divindades capazes de cantar as vitórias dos deuses do Olimpo. Então, Zeus se deitou com Mnemosina, a deusa da memória, durante nove noites consecutivas. Nasceram dessas noites as nove Musas. Dessas nove, a musa da música era Euterpe, que fazia parte do cortejo de Apolo, deus da Música.
Fonte: UFGNet

Rádio MEC AM

CONTOS NO RÁDIO